A tequila que não desce


Warning: preg_match() [function.preg-match]: Compilation failed: unrecognized character after (?< at offset 10 in /home/httpd/vhosts/warmup.com.br/subdomains/bloggp/httpdocs/wp-includes/class-wp-block-parser.php on line 418

FERNANDO SILVA [@Fernando_Silva7]
de Sumaré

A temporada 2013 da F1 começou cheia de expectativas para o México. Afinal, era a primeira vez desde 1968 que dois astecas correriam lado a lado no grid de largada da principal categoria do automobilismo. Só que nem sempre qualidade é quantidade, não é mesmo?

Muito dessa expectativa gravitava em torno de Sergio Pérez. O jovem de Guadalajara fez seu primeiro ano e meio de F1 muito bem, brilhou em alguns momentos com a intermediária Sauber e ficou perto de ganhar corrida, subindo ao pódio em três oportunidades. É bem verdade que desde que sua contratação pela McLaren fora anunciada, ele jamais foi o mesmo, mas talvez fosse algo passageiro.

Esteban Gutiérrez é a cara nova do México na F1. O magrelo piloto de Monterrey pintou com certo destaque quando foi campeão da GP3 — o primeiro campeão, aliás, em 2010 — e correu na GP2 com relativo destaque, mas não chegou a ser um cara brilhante. Ganhou algumas corridas aqui e ali, mas só. Ainda assim, demonstrava um certo potencial que, aliado ao apoio da Telmex, foi decisivo para ser contratado pela Sauber justamente para substituir Pérez.

O pacote asteca para 2013 parecia ser mesmo promissor: Pérez na McLaren, equipe mais do que vencedora e dono de um histórico glorioso na F1; Gutiérrez na Sauber, time que cresce cada vez mais a cada temporada e que deixou boa impressão nos últimos anos, graças ao legado de ‘Checo’ e de Kamui Kobayashi (que saudades do Kobayashi na F1).

Sergio Pérez já começa a ser contestado dentro da McLaren

Só que toda a expectativa sobre um bom desempenho por parte dos mexicanos caiu por terra assim que o campeonato começou. Pérez, apontado até mesmo aqui pelo BloGP como um potencial campeão do mundo, desandou: nas pistas, parece sucumbir à força de Jenson Button e começa a receber críticas por parte da McLaren. Fora delas, deixou de ser aquele cara solícito que se diferenciava dos outros pilotos e adotou uma linha mais política, sendo mais do mesmo, às vezes menos do mesmo.

Os resultados de ‘Checo’ são pífios até aqui. Enquanto Button vai tirando leite de pedra e conseguindo o que talvez fosse impossível com o péssimo carro que dispõe — são 12 pontos em três corridas, sendo o quinto lugar na China como melhor resultado —, Pérez só foi ao Q3 uma vez, na Malásia, onde conquistou sua melhor colocação no ano: nono lugar. Patético. Como se não bastasse, Sergio foi descrito por Martin Whitmarsh como um piloto “muito polido”, e o chefão lhe pediu que fosse mais incisivo para se defender das ultrapassagens.

O começo de Pérez na McLaren tem sido tão ruim que me faz lembrar outros dois casos num passado não muito distante. Na mesma McLaren, em 1993, Michael Andretti só conseguiu pontuar na quinta corrida da temporada e não foi nem sombra daquele piloto combativo que se consagrou na Indy. Um ano antes, na Ferrari, Ivan Capelli foi igualmente pífio, somando apenas dois pontos nas primeiras corridas do ano. O destino de ambos foi semelhante: a dispensa antes mesmo do fim da temporada.

Não me parece que Pérez tenha esse fim, pelo menos por enquanto. Muito se fala sobre a Telmex vir a ser a patrocinadora principal da McLaren no futuro, mas não acredito que eles precisem tanto assim da grana a ponto de colocar ‘Checo’ em um dos seus cockpits a troco disso. A McLaren é muito grande para se submeter a um piloto meramente pagante. Mas caso eles se cansem das patacoadas de Pérez, tem um Kobayashi aí dando sopa, mantendo o ritmo de corrida no Mundial de Endurance…

Gutiérrez vai ficando marcado pelos seus erros neste seu começo de carreira na F1

Falando sobre Gutiérrez — já apelidado por muitos como ‘Gutierros’, com justiça, inclusive —, é preciso levar em conta dois fatores: como estreante, é natural que ele cometa erros aqui e ali, tudo isso faz parte do cruel aprendizado de um piloto de F1. Mas não é preciso ser um gênio para perceber que, pelo menos por enquanto, Esteban continua devendo, e muito. Com um carro que parece ser bom — e Nico Hülkenberg, um extra classe, mostra isso —, o jovem de Monterrey sequer chegou perto de almejar os pontos.

Em Xangai, por exemplo, Gutiérrez foi ridículo e cometeu um erro bizarro ao encher a traseira de Sutil — que azar, hein Adrian —, destruindo a corrida de ambos. Não à toa, foi punido pela FIA com a perda de cinco posições no grid de largada do GP do Bahrein. Certamente, Monisha Kaltenborn e Peter Sauber já devem estar com saudades de Kobayashi, mas, diferente da McLaren, precisam muito da grana da Telmex, que só está lá porque Esteban ocupa um dos seus cockpits.

Sinceramente, não vejo futuro muito grande para Gutiérrez na F1. Muito fraco e parece não ter estrutura para suportar a pressão de estar na categoria. Pérez ainda tem a seu favor o fato de ter mostrado bom serviço na Sauber, então ainda tem um pouco de crédito. O único trunfo de Esteban é a grana do seu Slim e nada mais.

Aguardemos as próximas corridas. Mas a julgar pelo começo de temporada, a tequila dos mexicanos está batizada e não desce nem com sal e limão.

Adendo: por meio de sua conta no Twitter, a Academia de Pilotos da Ferrari deu uma leve alfinetada em Gutiérrez e, principalmente Pérez, oriundo do programa de Maranello, durante a péssima participação de ambos ontem: not a very good day for Mexicans today !!! #tooyoungforf1. Vale lembrar que no ano passado Luca di Montezemolo justificou a não contratação de Pérez por considerá-lo verde demais para ser titular da Ferrari. E não é que ele tinha razão?

Tags: , , , , , ,

32 respostas para A tequila que não desce

  1. Pedro Paulo Masson disse:

    Sr. Fernando Silva:

    O seu texto é magnífico! Bastaria ao grupo Honda oferecer os seus motores de graça ao time Sauber e o Koba coletar mais dinheiro com o Kamui Support. Ao menos em tese…

  2. aldo gomes disse:

    E o Bottas?

    • Fernando disse:

      Valtteri não é ruim. Deu azar e pegou a Williams numa draga nível 2011, o pior da história da equipe. Mas não tenho dúvidas que ele andaria melhor que o Gutiérrez se tivesse um carro como a Sauber, por exemplo. Bottas ‘mostrou a que veio’ mais rápido que Esteban, que parece ainda não ter caído a ficha de que é um piloto de F1. Vamos ver as próximas corridas.

      • Fernando Cruz disse:

        E isso mesmo. A Sauber esta a perder mais com a troca de pilotos porque Bottas e bem melhor do que Gutierrez. Alem de ser mais talentoso, tem tambem uma cabeça melhor. Mas mesmo assim nem a Williams ficou a ganhar com a troca, pelo contrario, tambem andou para tras mesmo a nivel de pilotos.

        • Alexandre Resinente disse:

          Você está falando do Bruno Senna? Para mim, a Williams trocou seis por meia dúzia. Não vejo muita diferença entre o finlandês e o sobrinho do Ayrton, pois ambos não passam de pilotos medíocres (medianos) e, sobretudo, pagantes (“pay drivers”). Aliás, acho o V. Bottas levemente superior ao Bruno, sendo que este jamais mostrou a que veio na Fórmula 1 (além de ter sido humilhado pelo Pastor Maldonado). O Senna que fique no WEC!

          Alexandre Resinente

  3. Diego Sowaka disse:

    Se juntar Sergio Pérez e Gutiérrez “não dá” um Kamui Kobayashi, pronto falei U.U

  4. Rodolfo Vitagliano disse:

    A Sauber poderia ter mantido o Kamui Kobayashi pela experiência. A suíça teria uma dupla forte com o japonês e o Nico Hülkenberg. A presença do Koba-san na escuderia suíça poderia influenciar a Honda a equipá-la, na era dos motores turbo (gratuitamente ou com abatimento). Em suas passagens pela Fórmula 1, a montadora nipônica já forneceu os seus propulsores para duas equipes, por temporada. Observem alguns exemplos:

    1987:
    Lotus – Senna e Nakajima
    Williams – Piquet e Mansell

    1988:
    Lotus – Piquet e Nakajima
    Mclaren – Senna e Prost

    1991:
    Mclaren – Senna e Berger
    Tyrrell – Modena e Nakajima

    2001:
    BAR – Panis e Villeneuve
    Jordan – Alesi, Zonta etc.

    2002:
    BAR – Panis e Villeneuve
    Jordan – Fisichella e Sato

    2006:
    Honda Racing F1 Team – Button e Barrichello
    Super Aguri – Sato, Yamamoto etc.

    2007:
    Honda Racing F1 Team – Button e Barrichello
    Super Aguri – Sato e Davidson

    2008:
    Honda Racing F1 Team – Button e Barrichello
    Super Aguri – Sato e Davidson

    A Honda sempre auxiliou o Takuma Sato na Fórmula 1: Jordan, BAR e Super Aguri. E na Fórmula Indy: KV Racing, Rahal Letterman e A. J. Foyt Enterprises. Que tal ela ajudar o Kamui Kobayashi?

  5. Mauro da Cunha Ramos disse:

    O jornalista europeu Jonathan Noble escreveu o seguinte artigo: “Did McLaren take the wrong Sauber man?” (“A McLaren pegou o cara errado da Sauber?”). Para Noble, o japonês Kamui Kobayashi deveria ter sido o escolhido pela escuderia de Woking, ao invés do mexicano Sergio Pérez. O citado texto foi publicado na revista inglesa “Autosport”. Abraços.

  6. Dr. Leonard Hofstadter disse:

    Trocar brasileiros por mexicanos só podia dar no que deu. Os dois cucarachas fazendo mierda na mesma corrida… ; )

  7. Nilo Zaffaroni disse:

    O Esteban Gutiérrez é muito, muito fraco! Ademais, ele parece a Chiquinha do Chaves! Como a Sauber foi dispensar o Kamui Kobayashi para colocar um mexicano tão frouxo? Já sei: dinheiro. Mas o Gutiérrez está mandando tão mal…

  8. Thiago Lemos disse:

    Muita calma, mal tivemos 5 corridas.

    Nessa corrida do Bahrein, o Perez foi um dos destaques, sendo muito aguerrido, disputando posições com campeões do mundo como Button, Hamilton e Alonso. Primeira boa corrida dele.

    Quanto ao Gutierrez, tá sendo vítima de falta de treino, e pagando ainda por ser novato.

    Nem chegamos na europa ainda, deixa dar mais etapas pra pegar uma média melhor.

  9. Pedro Lima disse:

    FERNANDO SILVA,

    Pode confirmar o que essa galera está falando sobre a Toyota ou a Honda trazer de volta o Kobayashi?

    • Fernando disse:

      Tudo não passa do campo teórico, Pedro, pelo menos por enquanto. Rumores colocam a Toyota de volta à F1 como fornecedora de motores, algo que é improvável, ao menos para 2014. Isso porque Ferrari, Renault e Mercedes já estão bem avançadas no projeto do V6 Turbo para o ano que vem, já estão trabalhando nisso desde o ano passado. E lembre-se que o foco da Toyota está no WEC, competição cada vez mais forte.

      Abração e obrigado pela audiência!

      • Wesley Camargo Rettondini disse:

        Sr. Fernando:

        Há rumores de que a Toyota retornará como escuderia, em 2015, sob o nome Lexus, que é a divisão de luxo do grupo (fontes: Quatro Rodas e Club Lexus). Por outro lado, tem boato no sentido de que a montadora fornecerá propulsores para a Williams. Recentemente, a revista alemã Speedweek mencionou que, além da McLaren, a suíça Sauber poderá ser cliente da Honda. O articulista Celso Itiberê, em “A dança dos motores”, afirma que o contrato já foi firmado entre o time de Woking e a empresa fundada por Soichiro Honda. Naturalmente, são diz-que-diz que não sabemos se irão se concretizar, mas esperamos que sim.

        • Samuel Paoli disse:

          Que legal!

        • Armando S. Bernat disse:

          Vejo como possibilidades para o Kamui Kobayashi:

          Sauber – Honda
          Equipe Toyota Racing (Lexus Racing)
          Williams – Toyota

          • Dorival disse:

            Já imaginaram a Toyota e a Honda disputando o Kamui Kobayashi, no futuro? Mas acho que o japonês ficará com a Toyota Racing ou a Williams – Toyota, dependendo do caso (Toyota regressando como escuderia ou apenas como fornecedora de propulsores, ou ambas). Se a “mãe” dele não voltar, acho que a Honda poderia “adotá-lo”. Sinceramente, não vejo nenhum empecilho nesta segunda acepção. Após a retirada da Toyota da F-1, o Kamui assinou com um time suíço que usa motores italianos. No WEC, o nipônico é piloto da AF Corse (Ferrari). Por que a Honda não poderia ajudá-lo a retornar ao circo da Fórmula 1? O Koba-san tem talento!

          • Sandro Leal disse:

            Seria melhor a Toyota voltar como equipe e o talentoso Kamui Kobayashi ser contratado para ser o principal piloto. Estou achando que a montadora colocará o filho do Satoru no time, ao lado do Koba-san. Mas o Kazuki Nakajima é fraco e “apanharia” bastante do Kamui.

  10. Sandro Leal disse:

    O Esteban Gutiérrez é ruim demais!!!

  11. Sandro Leal disse:

    O Sergio Pérez é guerreiro! Vai com tudo! O Button não é dono da McLaren!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.